creaxcrq.png

Engenharia e Tecnologia de Alimentos: CREA ou CRQ? (PARTE 1)

A Engenharia de Alimentos é a especialidade da Engenharia que se dedica à transformação da matéria-prima alimentar em alimento próprio para o consumo.

Esse beneficiamento se fundamenta no estudo da natureza dos alimentos, portanto é necessário se ter um conhecimento profundo de química, bioquímica, propriedades físicas e microbiologia do alimento que se deseja processar a fim de que o mesmo obedeça a um padrão, legalmente pré-estabelecido, de identidade e qualidade.

Isto se faz necessário para que se garanta a inocuidade do produto ao consumidor final.

No Brasil, a Engenharia de Alimentos teve suas atribuições profissionais reconhecidas primeiramente pela Resolução nº 208, de 9 de junho de 1972 do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CONFEA) e, atualmente, neste conselho a profissão é regulamentada pelo artigo 19 da Resolução 218, de 29 de junho de 1973. Esta resolução invoca a lei 5.194/66, que regula as profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo.

É certo que a Engenharia de Alimentos está fundamentada na base de conhecimentos da química e, portanto, ao classificar os títulos profissionais que integram o sistema na Resolução 473/2002, o CONFEA inseriu a Engenharia de Alimentos na modalidade química do grupo da Engenharia.

Nesta mesma modalidade encontram-se também a Engenharia Química, a Engenharia de Petróleo e Gás, a Engenharia Têxtil, a Engenharia de Plástico e a Engenharia Bioquímica.

No entanto, muito embora tal modalidade esteja devidamente regulamentada pelo Conselho de Engenharia, a União também concedeu ao Conselho Federal de Química (CFQ), pela Lei 2.800/56, que cria os Conselhos Federal e Regionais de Química e dispõe sobre o exercício profissional de químico, a competência para fiscalizar o engenheiro químico e o engenheiro industrial modalidade Química quando suas funções, como químico, assim o exigirem, conforme disposto no artigo 22 desta lei.

Em 1974, com o intuito de especificar as atribuições de químico de acordo com a lei ordinária, o CFQ edita a Resolução nº 36, a qual se encontra atualmente em vigor.

Em 1978, após recém-criada a Engenharia de Alimentos no país, o CFQ publica a Resolução nº 46, onde em seu artigo 1º obriga os portadores de diploma em Engenharia de Alimentos a se registrarem nos Conselhos Regionais de Química como profissionais da química.

E, finalmente em 1981, com o objetivo de regulamentar a supracitada lei, a presidência da República edita o Decreto nº 85.877, que ficou conhecido como decreto dos químicos, o qual define as atividades de químico e divide as atribuições em privativas e não privativas.

Até a presente data, a última Resolução regulamentadora das profissões de Engenheiro e Tecnólogos de Alimentos foi publicada no dia 29 de outubro de 2014. É a Resolução Nº 257 do CFQ, a qual define detalhadamente as atribuições destes profissionais.

Muito embora haja tantos dispositivos regulamentadores da profissão, há um claro conflito entre os conselhos fiscais. Isto ocorre por conta da natureza arrecadadora destas entidades, que acaba se sobrepondo à finalidade para a qual foram criadas.

Este artigo ficou um pouco extenso e, por isso, foi dividido em 3 (três) partes afim de que a leitura não se torne exaustiva. Antes de dar prosseguimento a leitura, é interessante o leitor se atentar para alguns conceitos relacionados à engenharia. Na Lei 5.194/66, em seu 1º artigo, tem-se:

Art. 1º As profissões de engenheiro, arquiteto e engenheiro-agrônomo são caracterizadas pelas realizações de interêsse social e humano que importem na realização dos seguintes empreendimentos:

a) aproveitamento e utilização de recursos naturais;

e) desenvolvimento industrial e agropecuário.

Pode-se entender que a Engenharia consiste na exploração e/ou transformação de recursos naturais para fins econômicos. Para cada modalidade da Engenharia há uma profissão de Tecnólogo correspondente. No âmbito da transformação dos alimentos, Engenheiros e Tecnólogos atuam no processamento, na pesquisa e desenvolvimento e demais áreas correlatas.

Sabendo-se que a química é a ciência que estuda a natureza, propriedades e transformações da matéria e, por esta razão, sabe-se que é impossível estudar a natureza dos alimentos, suas propriedades física, química e microbiológica objetivando o beneficiamento; como então definir o que pertence ao campo da engenharia e o que pertence à área da química?

É possível que tal questionamento possa ser respondido nos próximos textos!


Julio Cezar D’Ávila Pereira Paixão Costa é Engenheiro de Alimentos e Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos. Atuou durante 8 anos como técnico do laboratório de Análise de Alimentos na Universidade Federal do Tocantins. Atualmente é Engenheiro no Escritório Federal de Aquicultura e Pesca no Tocantins e presta consultoria técnica para a empresa de gases industriais.

Júlio Cézar PaixãoEngenharia e Tecnologia de Alimentos: CREA ou CRQ? (PARTE 1)
Share this post

10 comentátios

Deixe seu comentário
  • Orlando Vidal - 8 de novembro de 2019 Responder

    sou formado em Tecnólogo em alimentos pelo IF Sertão Salgueiro

  • Heloiza - 10 de outubro de 2019 Responder

    Sou formada em tecnologia em alimentos, tenho muitas dúvidas sobre em que posso atuar, posso assinar as analises de um produto? Se eu for fabricar uma cápsula 100% natural de uma determinada fruta tenhonq8e contratar um engenheiro químico, em uma fábrica de polpa e liofilizado posso assinar o registro da empresa e do produto no mapa?

  • Janaina - 25 de maio de 2019 Responder

    Olha … gostaria de saber … uma pessoa que cursa agronomia pode tirar crq ? Pode trabalhar em laboratorio de analise de cana ?!

  • Marlene Gomes da Silva - 10 de maio de 2019 Responder

    sou formada em Tecnóloga em alimentos pelo IF Sertão Petrolina, o registro da classe é no CREA ou CRQ, e outra coisa as circunstâncias não são favoráveis existe alguma isenção para que eu possa recorrer?

  • Fabio - 23 de abril de 2019 Responder

    Pós graduação em engenharia de alimentos é passível de registro em algum conselho de engenharia? Obrigado.

    Julio Cezar Paixão - 28 de abril de 2019 Responder

    Depende primeiramente de sua graduação. Se suas atribuições, como diplomado, te permitem exercer as funções da engenharia de alimentos, então seria desnecessário registro da pós graduação junto ao conselho. Em caso contrário, você observar o disposto na resolução 1073/2016 do CONFEA para graduados em engenharia (exceto os da modalidade química), já os graduados em química ou engenharias da modalidade química deverão observar os dispostos na resolução nº 36 do CFQ. Para estes casos, em ambos os conselhos, o profissional deverá solicitar a extensão de suas atribuições.

  • Henrique - 13 de junho de 2018 Responder

    Olá, gostaria de ajuda em uma dúvida. Quem vai atuar em laboratório de análise de uma mineradora, qual registro deve tirar? CRQ OU CREA?Obrigado.

  • Henrique - 13 de junho de 2018 Responder

    Para quem vai atuar no laboratório de análises de uma mineradora, qual registro deve tirar?o CRQ ou CREA?

    Dafné Didier - 13 de junho de 2018 Responder

    É importante consultar o seu conselho de classe para uma orientação mais adequada!

    Julio Cezar Paixão - 28 de abril de 2019 Responder

    Analisando a CLT, em seu art. 335 alínea b), e o decreto nº 85.877, em seu art. 4° alínea d), diria que o mais salutar neste caso fosse o registro no CRQ.

Deixe seu comentário